sáb., 02 de out.

|

Zoom Link

Bate-papo, filme e fotografia: Luíza Mátravölgyi

Contando histórias de impacto social.

O registro está fechado
Ver outros eventos
Bate-papo, filme e fotografia: Luíza Mátravölgyi

Horário e local

02 de out. de 2021 16:00 – 18:00 BRT

Zoom Link

Sobre o evento

Luíza Mátravölgyi  visita a nossa Casa Húngara via Zoom para conversar sobre como contar histórias de impacto e responsabilidade social.  Durante este bate-papo ela falará sobre o documentário que escreveu e dirigiu: Tecendo a liberdade, que foi eleito o Melhor Filme do Vale do Paraíba do Cine Fest Gato Preto em 2020. Luíza é mais uma das mulheres de descendência húngara que faz a diferença na nossa sociedade.

Tecendo a liberdade (24 min, Brasil, cor, 2020) revela as contradições do sistema prisional brasileiro sob a perspectiva feminina. A dura realidade do cárcere é revelada sob a ótica de detentas e ex-detentas, de profissionais do sistema carcerário e do Judiciário, pesquisadoras e ativistas. Aponta, ainda, para soluções alternativas, como experiências de cooperativismo e empreendedorismo atrás e além das grades. (Produção: Humanitas360 e Edição: Beatriz H. Pomar)

O filme faz parte da programação do 27º Festival de Cinema de Vitória e está disponível no link abaixo:

Tecendo a liberdade, de Luíza Mátravölgyi

Sobre Luíza Mátravölgyi 

"Sou fotógrafa e filmmaker freelancer com foco em projetos de impacto social e bacharel em Audiovisual pela Universidade de São Paulo (USP). Colaborei com a ONG Instituto Humanitas360 entre 2017 e 2019, onde era responsável pela cobertura de projetos e eventos. Durante este período, minha atividade principal foi o desenvolvimento de peças audiovisuais dentro de unidades prisionais no Brasil e na Colômbia, além de acompanhar a presidente do instituto Patrícia Villela Marino em suas ações de advocacy. Em 2017 recebi o prêmio “Nelson Mandela” da Organização das Nações Unidas (ONU), durante seu 1º Concurso de Vídeos, com uma peça audiovisual sobre a primeira cooperativa de detentas do Brasil.

Minha aventura profissional atrás das câmeras começou em 2014, quando acompanhei a expedição do projeto D-Lab do Massachusetts Institute of Technology (MIT) na Ilha do Marajó como documentarista. Desde então, fiz a cobertura em vídeo de projetos da Serra da Mantiqueira (2015), nos Estados Unidos (2017), participei também da captação do documentário “Scholas”, em Porto Príncipe, Haiti (2016). Quando não estou com a câmera nas mãos, sou capoeirista e praticante hipismo, e todo mês viajo para ver o mar.

Para mim, não basta filmar ou fotografar: procuro criar vínculos, entender e respeitar o funcionamento de cada espaço para, só então, ligar a câmera. Prezo por contar histórias com responsabilidade." 

Para mais detalhes visite o site da  Luíza Mátravölgyi 

Compartilhe esse evento